logo

Pesquisar

Gastronomia Pernambuco

UM ESTADO DE TEMPEROS E SABORES, que agrada até aos mais exigentes dos paladares. Este é Pernambuco, um destino que apresenta uma gastronomia que vai do regional ao contemporâneo, utilizando elementos típicos com toque de sofisticação. A variedade gastronômica de Pernambuco se faz presente do Litoral ao Sertão, sempre com muita afetividade, seja no preparo de biscoitos e doces caseiros ou na produção da famosa rapadura - conhecida como o “doce mais doce dos doces”. Entre as famosas delícias da cozinha regional, o destaque vai para o tradicional bolo-de-rolo com goiabada, seguido pelo bolo Souza leão – à base de macaxeira – dois quitutes capazes de deixar qualquer um com água na boca. Também são conhecidas no Estado as casas de farinhas, onde são preparadas, de forma ainda que artesanal, a goma de mandioca que serve para produção de tapioca, geralmente servida com os mais diversos recheios.No cenário atual, a capital pernambucana, Recife, está entre os três mais importantes centros gastronômicos do Brasil, reunindo restaurantes que contemplam desde pratos à base de frutos do mar, como também delícias das cozinhas francesa, japonesa, mexicana, chilena, entre outras.Excelentes opções gastronômicas e por um preço bem acessível são os Mercados Públicos, a exemplo dos mercados da Madalena, da Boa Vista, de São José, entre Resultado de imagem para comida pernambucanaoutros, que aos finais de semana, geralmente, além dos saborosos quitutes, oferecem programações culturais.Não é só na capital Resultado de imagem para comida pernambucanapernambucana onde se “come bem”, o Litoral do Estado também apresenta diversas e excelentes opções de pratos. Porém, não se pode mergulhar nas águas claras das praias locais sem pensar em se deliciar com os famosos frutos do mar servidos em toda costa litorânea. Em apresentações mais elaboradas ou experimentais, pratos como moquecas e calderadas são famosos. Também é possível saborear peixes fritos, ensopados de aratu e os caranguejos cozidos, além de ostras, camarões, mariscos e agulhinhas, além de queijo coalho assado na brasa, amendoim, ovo de codorna e os tradicionais caldinhos caseiros, com destaque para o de feijão. Mas como não é só de comer que entendem os pernambucanos, bebidas como a cachaça e licores de diferentes sabores são produzidas artesanalmente e concentram o gosto da nossa cultura. Os drinques preparados com cachaça e frutas típicas são uma adaptação da brasileiríssima caipirinha. CULINÁRIA: O Recife ostenta o título de primeiro pólo gastronômico do Nordeste e terceiro do Brasil, atrás apenas de São Paulo e do Rio de Janeiro. E não é para menos. Um verdadeiro festival de sabores está à disposição do turista, que pode provar desde a mais deliciosa comida caseira ao mais sofisticado prato da culinária internacional. Segundo estimativa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Pernambuco (Abrasel-PE), são mais de 1,7 mil bares e restaurantes espalhados pela cidade, gerando 120 mil Resultado de imagem para sarapatel de pernambucoempregos diretos e indiretos. OS PRATOS TÍPICOS DO ESTADO refletem a miscigenação de raças, responsável por uma das culinárias mais criativas do Brasil. A diversidade da gastronomia local é capaz de deixar qualquer um com água na boca. Tem: sarapatel, buchada, dobradinha, mão-de-vaca, cozido, chambaril, Resultado de imagem para sarapatel de pernambucopeixada pernambucana, macaxeira com charque e a tradicional carne-de-sol. Achou pouco? Para a sobremesa tem os deliciosos bolos de rolo, bolo Souza Leão e ainda a Cartola, feita com banana frita, queijo, canela e açúcar. QUEM ACHA QUE a primeira refeição do dia deve ser a mais leve, não conhece um típico café da manhã pernambucano. No cardápio do desjejum tem cuscuz de milho ou de mandioca, inhame e macaxeira com carne de sol ou charque, batata doce, banana comprida, munguzá, frutas, pão, arroz doce, angu, coalhada, broa de milho, canjica e pamonha. Os sucos e refrescos de frutas regionais, a exemplo do caju, são ideais para acompanhar a refeição. A TAPIOCA DO ALTO DA SÉ, em Olinda, dá gosto ao pôr-do-sol visto de lá. Na praia de Boa de Viagem, a variedade de caldinhos e frutos do mar, faz muita gente passar um tempo a mais curtindo a brisa do mar. Da herança dos engenhos, na Zona da Mata, vieram os vários tipos cachaça, fabricadas artesanalmente. É também da cana-de-açúcar que se originam a rapadura, o melaço e o delicioso mel de engenho. Este último, quando combinado com o tradicional queijo coalho, dá origem a uma das iguarias mais cobiçadas da culinária pernambucana. PARA OS ENÓFILOS, a degustação de vinhos do Vale do São Francisco é imperdível. A região irrigada fica no sertão pernambucano e é responsável pela produção de 15% dos vinhos finos nacionais. O bode é o prato principal do lugar. Tanto que existe um complexo gastronômico chamado Bodódromo, com 10 bares, todos especializados em servir a carne caprina. TAPIOCA: É uma espécie de beiju feito com goma de mandioca umedecida e temperada com sal. Tem recheio de coco ralado, queijo coalho ou manteiga. As tapioqueiras, são facilmente encontradas nosResultado de imagem para gastronomia de pernambuco pontos turísticos das cidades de Pernambuco. Existe também a tapioca molhada, umedecida com leite de coco misturado com açúcar. BOLO SOUZA LEÃO: É um dos mais tradicionais bolos da culinária pernambucana. O nome vem da família que repassou a receita. Tem consistência cremosa e é preparado com massa de mandioca, calda quente de açúcar, ovos e manteiga. CARTOLA: É uma das mais tradicionais sobremesas da gastronomia pernambucana. Seu preparo consiste em banana frita coberta com queijo coalho assado, polvilhada com açúcar e canela. BUCHADA: É um dos mais tradicionais pratos da cozinha sertaneja. Preparado com o bucho de bode ou carneiro, recheado com um picadinho do sangue coagulado, tripas e fígado, refogado com hortelã, limão, alho, cebola e temperos. SARAPATEL: Prato feito com sangue avinagrado e miúdos de porco, picadinhos em pequenos cubos, refogados em temperos e cozidos. É acompanhado com farinha de mandioca, podendo, também, ser servido como petisco temperos e cozidos. É acompanhado com farinha de mandioca, podendo, também, ser servido como petisco. CHAMBARIL: Cozido, preparado com osso buco de boi, refogado em temperos. É servido com pirão, feito com o caldo fervendo e farinha de mandioca. DOBRADINHA: Consiste em Resultado de imagem para sarapatel de pernambucobucho e tripas de boi; lingüiças cortadas em pequenos cubos, refogados e cozidos junto com feijão branco. É servido com farinha de mandioca ou arroz. COZIDO: Carne do peito e osso buco do boi, charque, toucinho, lingüiças, refogadas em temperos e cozidas junto com batata-doce, repolho, couve, jerimum, cenoura, quiabo, maxixe e banana comprida. É servido acompanhado de arroz branco e pirão. MÃO DE VACA: Consiste em um cozido preparado com as patas dianteiras da vaca refogadas com temperos. É servida com pirão feito do caldo em que foi cozida. BOLO DE ROLO: Bolo preparado com uma
massa de espessura finíssima de pão-de-ló, recheado com goiabada derretida e enrolada em forma de rocambole, polvilhado com açúcar. MUNGUZÁ: Típico do ciclo junino, o munguzá é preparado com milho cozido em água e temperado com leite de coco, açúcar, cravo e erva-doce. É servido quente e polvilhado com canela. CANJICA: É um dos pratos típicos do ciclo junino. De consistência cremosa, a canjica é preparada com milho verde ralado, açúcar e leite de coco. É servida polvilhada com canela. É conhecida no Sul do País como curau. GASTRONOMIA:  AZÚ:  Sob a tutela dos Chesf Douglas Van Der Ley e Aníbal, o Restaurante Azú integra o requinte ao ambiente marítimo. Inaugurado em outubro de 2009, possui cardápio básico de frutos do mar. O Platô de lagosta (Lagosta grande acompanhada de camarão, pescada amarela, polvo acompanhado com farofa crocante e vinagrete - R$120 p/duas pessoas) é o destaque. Mas o cliente também pode degustar a Muamba (Camarões grandes,