logo

Pesquisar

Gastronomia no Espirito Santo

Imagem relacionadaA GASTRONOMIA: Cozinha Capixaba: A tradição pesqueira e a herança da cultura indígena e negra influenciaram profundamente a culinária capixaba, tornando-a eclética, produto de muitas influências dos habitantes locais como portugueses africanos e povos do norte da Europa. Com a vinda de imigrantes europeus novos pratos foram acrescentados à cozinha capixaba. Dos italianos, os que exerceram maior influência, têm o anholini, o torteras, a sopa pavese, o risoto e a polenta. Mineiros e baianos também trouxeram de suas terras pratos típicos como o péla-égua (canjiquinha com costeleta de porco) e o vatapá. Entre os pratos típicos mais famosos citam-se a torta capixaba e a moqueca, a unha de siri e a caranguejada. Famosa internacionalmente, a moqueca capixaba é o prato mais conhecido da culinária do Espírito Santo. O nome "moqueca" designa um estilo de preparar o alimento que consiste no cozimento sem água, apenas com os vegetais e frutos do mar e, ao contrário da moqueca baiana, a capixaba não recebe azeite de dendê e nem leite de coco. Logo em seguida, vem a torta capixaba, preparada com vários frutos do mar, como siri desfiado, camarão, ostra e sururu, além de bacalhau e palmito. Prato tradicional durante a Semana Santa em todas as casas capixabas. A técnica de catar o crustáceo é a mesma que já utilizavam os indígenas, fartos comedores de caranguejo - vai-se com lama até os joelhos e recolhem-se os caranguejos no tato e no jeito, para que os dedos não sejam aferroados pelas puãs. O siri, crustáceo primo do caranguejo, é pescado com jereré ou puçá, ambos se parecem com rede de caçar borboletas, Imagem relacionadasendo o jereré ou puçá que leva a isca; a pesca sem isca é geralmente feita à noite, à luz de lampiões. As Desfiadeiras de Siri da Ilha das Caieiras, assim como as Paneleiras de Goiabeiras, ocupam atividade artesanal de destaque na composição da cultura popular de Vitória. Mas o maior tempero da culinária capixaba é a Panela de Barro: é, sem dúvida, uma das maiores expressões da cultura popular do Espírito Santo. Desde a sua origem - nas tribos indígenas que habitaram o litoral do Estado - até os dias de hoje, a técnica de sua confecção e a estrutura social das artesãs pouco mudou. O trabalho artesanal das paneleiras sempre garantiu a sobrevivência econômica de seus familiares, como também de suas tradições. A região de Goiabeiras, ao norte da Ilha de Vitória, sempre foi o local tradicional da produção de panelas de barro. No início, o trabalho era de cunho familiar e as panelas eram feitas nos quintais das casas das paneleiras. As panelas de barro constituem o principal elemento cultural na elaboração de pratos típicos da culinária capixaba. A moqueca capixaba, a moqueca de garoupa salgada com banana-da-terra e a torta capixaba têm de ser feitas em panela de barro, para serem autênticas. A produção é constante e todas as peças produzidas são vendidas aos turistas e à população da Grande Vitória. As vendas são feitas diretamente no galpão da Associação das Paneleiras (27 3327-0519), em Goiabeiras, e nas lojas de artesanato. Receita da Moqueca e da Torta Capixaba: Ingredientes 1,5kg de peixe fresco robalo, badejo, papa-terra, ou namorado. - 3 maços de coentro - 3 maços de cebolinha verde - 2 cebolas brancas pequenas - 3 dentes de alho - 4 tomates - 3 limões - Azeite de oliva - Sementes de urucum - Pimenta  malagueta - Óleo de soja ou algodão - Sal fino = Modo de fazer: Limpe bem o peixe, corte-o em Resultado de imagem para panelas de pedrapostas de 5cm de largura, lave com limão e deixe-o em uma vasilha com água de sal fraca. Separe a cabeça para preparo do pirão. Soque juntos o alho e o sal. Em uma panela de barro (grande), coloque um pouco de óleo de soja ou de algodão (duas colheres) e azeite de oliva (uma colher) e adicione a massa obtida no socado, passando-a no seu fundo. Retire as postas de peixe da vasilha com água e sal. Vire as postas de um lado para outro na panela, arrumando de modo que não fiquem umas por cima das outras. Corte o coentro, o tomate e a cebola e coloque nesta ordem por cima das postas de peixe que estão na panela. Regue com azeite e suco de limão. À parte, frite em um pouco de óleo quente uma colher (sopa) de sementes de urucum, depois de fritas, retire-as. Na hora de levar ao fogo para cozinhar, despeje um pouco deste óleo por cima do peixe, para dar cor. Quando começar a abrir a fervura, verifique o sal. Não ponha água, não vire as postas e cozinhe com a panela bem tampada. Vá verificando o paladar do sal e do limão. Deixe no fogo forte por 20 a 25 minutos. Balance de vez em quando a panela com auxilio de um pedaço de pano grosso para que as postas de peixe não agarrem no fundo. Quando for à mesa, salpique coentro picadinho. Como complementos da moqueca capixaba, é indispensável o arroz branco, o pirão e o molho. = Vamos ao preparo do Pirão: Use os mesmos temperos da moqueca, reduzindo-os à metade. Aproveite a cabeça do peixe ou uma das postas, previamente separada para este fim. Proceda da mesma forma, desta vez adicionando de três a quatro copos de água ao peixe. Quando estiver cozido, escorra e o desfie. Resultado de imagem para comida capixabaJunte o peixe ao caldo novamente, deixe ferver e quando estiver no ponto máximo de fervura, vá jogando a farinha de mandioca, lentamente para não embolar, mexendo aos poucos com um garfo. Pronto o pirão, corte o coentro, e espalhe por cima antes de servir. O Molho: Amasse seis pimentas-malaguetas no suco de dois limões e três colheres de vinagre de boa categoria. Corte uma cebola em fatias bem finas, fazendo o mesmo com o coentro e as cebolinhas, misturando tudo à medida que for regando com o azeite. Se o molho ficar muito picante, coloque um pouco de água. Ingredientes: Cebola, alho, azeite doce, azeitona, limão, coentro, cebolinha verde, tomate a gosto - ½kg de palmito natural previamente cozido - 200gr de siri desfiado e cozido - 200gr de caranguejo desfiado e cozido - 200gr de camarão cozido - 200gr de ostra cozida - 200gr de sururu cozido - 200gr de badejo desfiado e cozido - 500gr de bacalhau desfiado e cozido. Obs.: para cozinhar esses ingredientes, fazem-se as moquecas de cada um e retira-se todo o caldo, deixando-os o mais seco possível. Modo de Preparo: Prepare um refogado com cebolas, alho, pimenta, azeite doce, azeitonas e limão. Leve ao fogo com o palmito natural e espere até desaparecer a água e ganhar consistência. Se junta, depois de limpos, desfiados, cozidos e espremidos os ingredientes acima, mexendo até evaporar a água. Retire para esfriar um pouco e misture uma parte da espuma de 6 (seis) claras em neve com as gemas. Quando se adicionarem os temperos aos mariscos, deve-se colocar o bacalhau para enxugar e dar liga à massa. Cozinham-se à parte 6 (seis) ovos (que servirão apenas para enfeite) juntamente à azeitona e umas rodelas de cebola. Coloca-se a massa em uma panela de barro, leva-se ao forno, retirando-a quando a espuma estiver bem corada. Este prato é especialmente servido pelos capixabas por ocasião da Semana Santa. 1kg de bacalhau - 2kg de palmito - 12 ovos - 200g de azeitona - 350ml de azeite de oliva Tomate - Alho bem picado, colorau e cebolas em rodelas - Tempero verde a gosto - Sal a gosto MODO DE PREPARO: Numa Resultado de imagem para homofobiapanela cozinhe o bacalhau e depois de cozido desfie-o Escorra bem palmito Reserve, Refogue o bacalhau e o palmito em azeite por 20 minutos juntamente com tomate, alho, colorau, cebolas, tempero verde e parte da azeitona sem caroço, Despeje 6 ovos e misture por 5 minutos, Unte as assadeiras com azeite e despeje o mexido. Bata os ovos que restaram e despeje uniformemente por cima, Enfeite com cebolas e azeitonas, Deixe assar por 40 minutos em temperatura média. Essa é uma receita tradicional. Muito comum em época de Festas Juninas. Ingredientes: 6 espigas grandes de milho - 1/2 xícara (chá) de açúcar - 1/2 xícara (chá) de leite de coco - 1 pitada de sal. Modo de fazer: Descasque os milhos cuidadosamente e reserve as palhas inteiras. Retire os fios e rale as espigas no ralador grosso. Ponha em uma tigela e acrescente o açúcar, o leite de coco e o sal. Misture cuidadosamente com uma colher de pau. Pegue as palhas reservadas, dobre-as ao meio e costure-as dos lados, para formar um saco pequeno (veja como fazer no vídeo abaixo). Preencha com o creme de milho e feche a ponta amarrando com um barbante.  Em uma panela grande, ponha água para ferver. Coloque as trouxinhas de milho na água fervente e cozinhe por aproximadamente 90 minutos.  Retire com o auxílio de uma escumadeira e deixe escorrer. Sirva frio ou quente. Dica: escalde as palhas do milho em água fervente para poder embrulhar a pamonha com mais facilidade. Rendimento: 8 porções