logo

Pesquisar

Mato Grosso do Sul

1377286066bandeira-mato-grosso-do-sul

 

MATO GROSSO DO SUL

 


A descoberta do continente americano
 por Cristóvão Colombo em 1492, fez surgir entre Portugal e Espanha à disputa pelas terras, o que culminou noTratado de Tordesilhas em 1494, o qual visava dividir o território entre as duas nações. Com a vinda de Pedro Álvares Cabral, teve início a colonização portuguesa ao continente que posteriormente viria ser conhecido como Brasil. Cristóvão Colombo. Há notícias de que o primeiro português a pisar no que hoje é Mato Grosso do Sul, teria sido Aleixo Garcia, por volta de 1524. Ele partira de Santa Catarina, atravessou a Serra de Maracaju, desceu o rio Miranda e, pelo rio Paraguai, chegou à Assunção. Aleixo buscava as riquezas das minas do Peru, difundidas em estórias da época. Aleixo Garcia Pelo Pantanal (conhecido como mar do Xaraés) e por outras terras de Mato Grosso do Sul em geral passou numerosas bandeiras em direção ao Norte, ao Peru e ao Paraguai. As regiões do Ivinhema, do Iguatemi e a serra de Maracaju eram bem conhecidas dos bandeirantes e muito utilizadas em suas rotas fluviais. Com o objetivo de aprisionar índios, Pascoal Moreira Cabral chegou ao território. O dos Coxiponés (atual Cuiabá) em 1718, onde descobriu ouro abundante junto ao rio Coxipó Mirim. Em 8 de abril de 1719 nascia o arraial de Forquilha, que transformaria mais tarde na cidade de Cuiabá, iniciando se na região a corrida pelo ouro. Neste mesmo ano, os irmãos Leme bem armados, com escravos e recursos, seguiram um caminho diferente para Forquilha atravessando um lugar conhecido como Camapuã. Os quatro homens fizeram uma parada e, em 1719, fundava se o primeiro núcleo de Mato Grosso do Sul, com a fixação dos primeiros homens brancos: a fazenda Camapuã. Outros povoados começam a nascer no correr dos anos e também fortificações militares tais como o Forte Coimbra em 1775; o Arraial de Nossa Senhora da Conceição de Albuquerque (atual Ladário) em 1778; o presídio de Miranda, em 1797, às margens do rio Mondego (que passaria a chamar se, daí em diante, de Miranda). A função era tanto de apoio aos viajantes que seguia atrás do ouro fácil do Cuiabá quanto de demarcar e vigiar as fronteiras portuguesas contra os possíveis ataques espanhóis. Tudo ia relativamente bem ao Centro Oeste brasileiro, mas não por muito tempo. Com a morte de seu pai, em 16 de setembro de 1862, o general Francisco Solano Lopez herda o governo Paraguaio e dá larga ao sonho de conquistar territórios litigiosos argentinos e brasileiros. É assim que no final de 1864 e, mais ferrenhamente, no início de 1865 a capitania de Mato Grosso é invadida pelos soldados de Solano Lopez. A Guerra do Paraguai (1864 1869) destruiu cidades como as de Nioaque, Miranda e Corumbá,Resultado de imagem para fotos antigas mato grosso  do sul que apenas em 1870 puderam começar a ser reconstruídas. A primeira tentativa de se criar um novo Estado ocorreu em 1892 por iniciativa, de alguns revolucionários liderados pelo coronel João da Silva Barbosa. Em 1932, com a Revolução Constitucionalista, foi criado o Estado de Maracaju, abrangendo quase todo o sul. COMO SURGIU O PANTANAL: A legendária existência de um grande lago ou mar no centro da América do Sul foi aceita por vários séculos. No mapa feito por Hondius em 1559, o Pantanal é representado como um grande lago - Espana Lacus - cercando um arquipélago. Na edição revisada do mapa de Hondius (1641) o lago ainda está representado, mas sem nome. Esse lago aparecia como nascente dos rios Paraguai, Amazonas e até do São Francisco (Hoechne, 1936). empregada mesmo após a descoberta de tratar-se não de um lago, mas, sim uma planície sujeita a enchentes sazonais. Somente a partir do século XX a região principiou a ser conhecida como Pantanal - termo também impróprio, já que este não é tampouco um pântano. O nome "Mar dos Xaraés" foi mencionado pela primeira vez pelo conquistador espanhol Nuñes Cabeza de Vaca, fundador de Assunção no Paraguai, que em 1543 viajou rio acima até a Lagoa Gaiba. Lá ele deve ter ouvido falar desse "mar" pela tribo indígena dos Xaraés que habitavam a margem da enorme Lagoa Uberaba, mais ao norte. Cabeza de Vaca, que também criou a lenda das sete cidades douradas de Cibola no Texas, provavelmente não checava bem suas fontes. Em sua defesa pode-se admitir que um lago do tamanho da Uberaba, cuja superfície chega a atingir 400km2, podia ser facilmente confundido com um "mar interior". Por dois séculos o Pantanal e áreas em torno continuaram sob o domínio de tribos como os Paiaguá, peritos canoeiros; Guaicuru, temidos cavaleiros que usavam cavalos roubados dos espanhóis; Guató, os primeiros a habitar as áreas alagadas, Bororo e outros. Esses povos indígenas continuaram sendo uma feroz ameaça aos colonos até o fim do século XIX, aliando-se a um dos dois lados dos brancos - bandeirantes ou espanhóis - até a Guerra do Paraguai Imagem relacionada(1864-1870). A primeira presença branca na região foi em torno de 1593, com a fundação da missão espanhola de Santiago de Xerez, próxima ao Rio Mboetei - hoje chamado Miranda - no sul do Pantanal, e destruída por bandeirantes vindos da província de São Paulo, presentes no Mato Grosso desde 1622 (Holanda, 1986). No início do século XVIII, Pascoal Moreira Cabral descobriu ouro em Cuiabá. Em uma rápida sequência, a presente fronteira separando a América portuguesa da espanhola foi estabelecida e sustentada através de cidades-fortaleza. O garimpo aumentou a ocupação da região onde hoje se encontra a cidade de Poconé, fundada em 1781. Enquanto os aluviões iam se exaurindo, os colonizadores da região importaram diferentes raças de gado e principiaram a criação extensiva de gado, facilitada pelas pastagens naturais da região. Hoje, 99% do Pantanal divide-se em fazendas particulares, onde 8 milhões de cabeças chegaram a ser criadas simultaneamente, número limitado pela área de terra firme durante as cheias anuais.