logo

Pesquisar

História do Mato Grosso

1377286050bandeira-mato-grosso

 

                                                                                                    MATO GROSSO

 

 

O POVOAMENTO: As origens históricas do povoamento de Mato Grosso estão ligadas às descobertas de ricos veios auríferos, já no começo do século 18. Aqui você encontra mais informações sobre o surgimento do Estado. DE ARRAIAL A VILLA: Primórdios Cuiabanos - Em 1722, por Provisão Régia, o Arraial de Cuiabá foi Resultado de imagem para mato grosso do norteelevado à categoria de distrito da Capitania de São Paulo. A Coroa mandou que o governador da Capitania de São Paulo instalasse a Villa, o município, estrutura suprema local de governo. Saiba mais aqui. MANUTENÇÃO DA FRONTEIRA: Vila Bela - Antiga CapitalPor ordem de Portugal, a sede da Capitania foi fixada no Vale do Rio Guaporé, por motivos políticos e econômicos de fronteira. A 19 de março de 1752, D. Rolim de Moura fundou Villa Bela da Santíssima Trindade, às margens do Rio Guaporé, que se tornou capital da Capitania de Mato Grosso. CONSOLIDAÇÃO DO TERRITÓRIO: Período de Capitania de Mato GrossoNo período de Capitania, Portugal se empenhou na defesa do território conquistado. À Capitania de Mato Grosso faltava povo e recursos financeiros para manter a política de conquista. Política de Expansão. POVOAMENTO SETECENTISTA: Nessa trajetória de ocupação e povoamento da Capitania de Mato Grosso, iniciada no governo de Rolim de Moura, novos povoados surgiram. Entre eles Santana da Chapada, que, inicialmente se constituiu em uma grande reserva indígena, devido à determinação do governo em congregar naquela porção da Capitania, tribos indígenas diversas, com o objetivo de minimizar os  constantes choques com as comunidades. Povoamento Setecentistae seus desdobramentosAntes da abordagem do povoamento no século XIX referenciaram a ocupação de povoados que se Resultado de imagem para homofobiarevestiram de grande importância no quadro geral da expansão desenvolvimentista. PROVÍNCIA DE MATO GROSSO: Primeiro ImpérioEm 25 de março de 1824 entrou em vigor a Constituição do Império do Brasil. As Capitanias passaram à denominação de  Províncias, sendo os presidentes nomeados  pelo Imperador. Mas o Governo Provisório Constitucional regeu Mato Grosso até 1825.  Província de Mato Grosso. SEGUNDO IMPÉRIO: O primeiro presidente da Província de Mato Grosso, nomeado por Dom Pedro II, foi o cuiabano cônego José da Silva Magalhães, que assumiu em 1840. Em 1844, chega a Cuiabá o médico Sabino da Rocha VieiraImagem relacionada para cumprir pena. Fora o chefe da famosa Sabinada, pretendendo implantar uma República no Brasil.   Estado de Mato Grosso. PRIMEIRA REPÚBLICA: Em 09 de dezembro de 1889, Antônio Maria Coelho assumiu as rédeas do governo republicano em Mato Grosso. A 15 de agosto de 1891 se promulgava a Constituição de Mato Grosso. O termo Província deu lugar a Estado. O chefe do executivo mantinha a denominação de presidente. O ESTADO DE MATO GROSSO:  Resultado de imagem para  povoamento em mato grosso do norteSegunda RepúblicaOs anos de 1930-1945 foram marcados por forte influência europeia. A política centralizadora de Getúlio Vargas se fez sentir em Mato Grosso: interventores federais foram nomeados por entre exercícios de curto governo. A AVENIDA TENENTE CORONEL DUARTE ESCONDE, sob seu leito, o antigo Córrego da Prainha, cordão umbilical que alimentou de ouro e então nascente Arraial do Cuiabá. Com sua nascente na Avenida Miguel Sutil, próximo à rodoviária, se encontra hoje totalmente englobado na área urbana. Ainda no final de século XIX, Rubens de Mendonça narra, em artigo da revista do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, expedição sua e de amigo, todos adolescentes, em busca da nascente Prainha. Atravessa canalizado, mas a céu aberto, os bairros do Araés e Baú, indo esconder-se, envergonhado de tanta sujeira, sob o leito da Avenida do CPA, na pracinha em frente à sede de Ministério Público Federal. Após percorrer toda a área central, não lhe é mais permitido desaguar no Rio Cuiabá; uma estação elevatória leva suas águas, todas contaminadas, para tratamento antes de jogá-la no rio. TRISTE HISTÓRIA DO CÓRREGO que viu a cidade nascer transformando em cloaca. Sua lembrança estará sempre presente em seu poético nome, Prainha, transposto popularmente para a Avenida. Suas antigas encostas estão cheias de histórias e salpicadas de igrejas. As generosas Lavras do Sutil que tanto ouro produziu. A Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, quase tão velha quanto à cidade, antiga igreja dos escravos e, hoje, de forte devoção popular por conta de São Benedito. templo do prazer, o Palácio da Águia, famosos prostíbulo do qual só restam lembranças, e algumas fotografias, localizado, aproximadamente, onde hoje está o ponto de ônibus do Morro da Luz. As velhas e belas pontes de pedras também desaparecidas, das quais a mais famosa era a Ponte da Confusão, na confluência com a Avenida Coronel Escolástica. Algumas coisas ainda sobrevivem no meio do caos urbano como o Chafariz do Mundéu, alimentado com águas que vinham de uma nascente do terreno da Santa Casa, situado na Praça Bispo Dom José, recentemente recuperada com a desativação do terminal de ônibus. O antigo Quartel da Força Pública, de 1862, atual Ganha Tempo, boa e bela restauração terminada em 2002, de um grande imóvel de tipologia colonial. Lá no alto, mas ainda ribeira da Prainha, a Igreja de Nossa Senhora do Bom Despacho, local sagrado desde 1726, com uma pequena capela,