logo

Pesquisar

História do Amapá

1377285511bandeira-amapa

 

 AMAPÁ

 

O azul: simboliza a justiça e o céu amapaense. O verde: representa 90% da área do Estado, de floresta nativa, ainda preservada. Simboliza Resultado de imagem para amapao verde: também a esperança, o futuro, o amor, a liberdade e a abundância. O amarelo: simboliza a união e as riquezas do subsolo. O branco: a pureza e a paz, a vontade do Estado do Amapá em viver com segurança e em comunhão com todos os que nele vivem significando ainda que a discórdia não possa ter guarida entre o Poder Público e a População. O negro: simboliza o respeito permanente aos que tombaram no passado, em lutas ou não, e que em vida fizeram algo de bom para o engrandecimento desta região. Em 1637, a região que é hoje o estado de Amapá foi dada a um homem português, Bento Manuel Parente, ao término do mesmo século, a região foi invadida pelo inglês e holandês que foram expulsos pelos portugueses. No 18º século, os franceses reivindicaram também a possessão da área e, em 1713, o Tratado de Utrecht estabeleceu as fronteiras entre o Brasil e a Guiana francesa que, não obstante, não foi honrado pelos franceses. Os portugueses construíram então uma fortaleza cujo nome foi de São José de Macapá, para proteger os limites de invasão francesa Determinado o território, começaram a crescer no 19º século, devido ambos pela descoberta de ouro na área e por ocasião do ciclo da Borracha, que naquele momento, tinha alcançado preços internacionais altos. A descoberta de recursos ricos, não obstante, causou as disputas territoriais para crescer e dá lugar à invasão francesa, em maio de 1895. Em 1º de janeiro de 1900, a Comissão de Arbitragem, em Genebra, deu possessão da região ao Brasil e o território foi incorporado ao estado de Pará, sob o nome de Amapá. Em 1945, a descoberta de grandes jazidas de manganês em Serra do Navio tremeu a economia local. Por uma divisão territorial nova, a porção de norte de Amapá do Rio de Cassiporé se tornou a Municipalidade de Oiapoque. Foi desmembrado novamente em dezembro de 1957, com o estabelecimento da municipalidade de Calçoene. O território do Amapá se tornou um estado através da Constituição de 5 de outubro de 1988. Localização do Estado do Amapá. O Estado do Amapá está localizado no estremo Norte do Brasil, quase que inteiramente no hemisfério Norte. Por suas características geofísicas, sociais, políticas e econômicas, fazem parte da vasta região Amazônica ou região Norte do Brasil. A configuração do mapa do estado é de um losango imperfeito, tendo seus vértices dirigidos para os pontos cardeais. A linha do Equador passa ao sul do estado, na cidade de Macapá. A cidade de Macapá é a capital do Estado: fica localizada ao sul e é banhado pelo braço norte do rio Amazonas. O Estado do Amapá é banhado a leste pelo Oceano Atlântico e o rio Amazonas. O seu litoral com 242 km de extensão, vai do Resultado de imagem para amapaCabo Orange ao Cabo Norte, isto é, da foz do rio Oiapoque a foz do rio Amazonas. Área: Com uma área de 143.453 Km². É maior que muitos países do mundo bem como de algumas unidades brasileiras. População e Limites: De acordo com estimativa feita pelo IBGE, no censo de 2010 a população do estado está estimada em 668.689 habitantes dos quais 499.116 residem em Macapá e Santana. Seus limites: foram fixados definitivamente pelos Decretos Leis de números 5.812, de 13 de setembro de 1943 e, 6.550 de 31 de maio de 1944, respectivamente que criaram e definiram em seus municípios. O Amapá se limita ao Norte e a Noroeste com a Guiana Francesa e Suriname. O Leste e Nordeste com o Oceano Atlântico, ao Sul e Sudeste com o Canal do Norte e Braço esquerdo do Resultado de imagem para mapa do arroio ao chuírio Amapá, a Oeste e Sudeste com o rio Jarí. Pontos Extremos: São seus pontos extremos determinados com suas localizações e especificações de latitude e longitudes: ao Norte Cabo Orange; ao Sul  Foz rio Jarí, Leste o Cabo Norte, Oeste a nascente do rio Jarí. Borracha e manganês: Quando, no final do século XIX, a Amazônia começa a viver o ciclo da borracha, o sul do Amapá também se beneficia da atividade extrativista. Em 1943, numa tentativa de apoiar o desenvolvimento da região, o governo federal desvincula o Amapá do Pará e o transforma em território federal, com capital em Macapá. Em 1946 iniciam-se a exploração das ricas jazidas de manganês recém-descobertas da Serra do Navio, concedida à Indústria e Comércio de Minérios S.A. (ICOMI), subsidiária da norte-americana BETHIEHEM STEEL. Nos anos 70, junto com o rio Jarí, na divisa com o Pará, é implantado o Projeto Jarí, ambicioso programa do megaempresário norte-americano Daniel Ludwig, ligado à exploração de madeira, ao cultivo de arroz e à produção de celulose. Apesar do grande investimento, o projeto não se consolida e, em1982, o que restava do empreendimento é assumido por Imagem relacionadaempresas brasileiras lideradas pelo Grupo Caemi e pelo Banco do Brasil. Em 1988, o Amapá torna-se estado. O Amapá hoje: O Amapá separa-se da Guiana Francesa pelo rio Oiapoque, em cuja foz está o extremo norte do litoral brasileiro. O estado tem 90% de suas terras cobertas pela floresta amazônica e vem conseguindo controlar o desmatamento, cujo ritmo se reduz a partir de 1993. O Amapá tem 24,2% de sua área protegida por lei: oito regiões identificadas como unidades de conservação ambiental, num total de 15,6% do território; e cinco reservas indígenas, que Resultado de imagem para homofobiaabrangem 8,6% - as áreas Waiapi, Galibi, Uaçá e Juminá e o Parque Indígena do Tumucumaque. Rio Pipoque divisa com a Guiana: O Amapá tem uma situação única entre todos os estados da Amazônia: pouco mais de 1% de sua área de 142.814,6 km² foi desmatada (em torno de 1.500 km²). Assim, a floresta de mata virgem, que ocupa 70% do território, conserva sua biodiversidade praticamente intacta. Atualmente, uma intensa onda migratória o situa entre os estados cuja população mais cresce no Brasil, à taxa média de 5,7% ao ano. O inchaço populacional é causado, de acordo com o IBGE, pela chegada de imigrantes do Pará e do Nordeste. Desde 1995, o Amapá programa ações que associam crescimento e preservação com a criação do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Amapá (PDSA), que norteia iniciativas e investimentos governamentais e privados. Como resultado desse programa, em 1997 é sancionado a lei que regula o acesso à biodiversidade, o uso de recursos genéticos e o emprego da biotecnologia e bi prospecção e, em 1999, é criada a Universidade Estadual do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável.